Sitemap
Compartilhe no Pinterest
Existem inúmeros medicamentos agora usados ​​para tratar os sintomas da esclerose múltipla.A maioria deles são caros.Imagens de Bjarte Rettedal/Getty
  • Um medicamento off-label pode ser uma alternativa eficaz aos tratamentos aprovados para esclerose múltipla (EM).
  • A aprovação federal é improvável, mas o uso off-label provavelmente continuará sendo uma opção viável.
  • O custo do tratamento da EM é geralmente alto e este medicamento poderia ser mais acessível.

É compreensível ter muito em mente quando você é diagnosticado com esclerose múltipla (EM).

O custo do tratamento não deve ser uma dessas coisas.No entanto, os medicamentos usados ​​para tratar a EM são notoriamente caros.

De acordo com uma nova pesquisa da Suécia, o alívio dos preços pode ser encontrado ao tratar a EM com um medicamento off-label chamado rituximab.

Os pesquisadores acrescentam que o rituximabe pode até ser mais eficaz do que alguns tratamentos para esclerose múltipla já aprovados pela Food and Drug Administration (FDA).

Noções básicas de tratamento da EM

Existem quatro tipos de EM, sendo o mais comum a EM recorrente-remitente (EMRR). É caracterizada por períodos alternados de crises e recuperação.

Dr.Barbara Giesser, neurologista e especialista em EM do Pacific Neuroscience Institute no Providence Saint John's Health Center, na Califórnia, disse à Healthline: “Em média, a maioria das pessoas com EMRR que não está sendo tratada com terapias modificadoras da doença pode ter uma a três recaídas por ano. .”

“Uma recaída pode durar várias semanas ou ocasionalmente meses se não for tratada”, acrescentou.

Essas reações prolongadas são consideradas recaídas clínicas com sintomas que você pode detectar, de acordo com o Dr.Nancy L.Sicotte, presidente do Departamento de Neurologia e diretor do Programa de Esclerose Múltipla e Neuroimunologia, e professor de Neurologia no Cedars-Sinai em Los Angeles, disse à Healthline.

"Pensamos nas recaídas como a 'ponta do iceberg' porque sabemos por imagens que a doença está ativa, mesmo que não detectemos sintomas clínicos".Sicotte disse à Healthline.

Enquanto o RRMS tende a se manifestar em picos e vales, pode se tornar progressivo.Especialistas acreditam que o número de recaídas está associado a essa mudança.

Assim, além de tratar o que podem ser sintomas debilitantes da EMRR, prevenir recaídas também pode retardar a progressão da doença.

Onde o rituximabe se encaixa?

Não faltam opções para o tratamento da EMRR.

“Atualmente, existem quase duas dúzias de terapias modificadoras da doença aprovadas para uso nos EUA que são indicadas para o tratamento da EMRR”, disse Giesser.

Uma dessas drogas é o fumarato de dimetila.

O que não está na lista de tratamentos RRMS aprovados pela FDA?Rituximabe.

Os pesquisadores queriam saber até que ponto o rituximabe preveniu recaídas em comparação com o fumarato de dimetila.O estudo incluiu 195 pessoas que foram recentemente diagnosticadas com EMRR.Esses participantes foram aleatoriamente designados para receber rituximabe ou fumarato de dimetila por 24 meses.

Os pesquisadores disseram que descobriram que o rituximab é o tratamento superior.De fato, aqueles que receberam rituximabe tiveram um risco 5 vezes menor de recaída do que aqueles que receberam fumarato de dimetila.Além disso, exames de ressonância magnética mostraram menos placas de esclerose múltipla em pessoas que tomaram rituximabe.Também não houve um risco aumentado de efeitos colaterais quando o rituximabe foi usado.

Os pesquisadores também observaram que o rituximab é mais acessível.

A pesquisa foi financiada pelo Conselho de Pesquisa Sueco, mas alguns dos autores do estudo relataram potenciais conflitos de interesse com empresas farmacêuticas envolvidas com rituximab.

No entanto, os especialistas externos entrevistados pela Healthline concordaram com as conclusões do estudo.

“Existem muitas versões diferentes de fumarato de dimetil agora. Eles são muito caros e é um composto muito simples, então desafia a lógica de ser tão caro”, disse Sicotte.

“Em algumas circunstâncias, o rituximab é o tratamento preferido em relação às versões aprovadas pela FDA porque é muito mais barato de usar”, acrescentou.

Rituximab foi originalmente desenvolvido para linfoma e desde então tem sido usado para outras doenças autoimunes.

“Foi testado no RRMS há 10 anos e foi um quebra de paradigma. Funcionou para diminuir as recaídas de forma eficaz, e isso realmente abriu as portas para uma nova classe de medicamentos para esclerose múltipla, incluindo ocrelizumab e ofatumumab”,disse Sicote.

O futuro do tratamento RRMS

Se o rituximab é realmente mais eficaz e menos caro do que alguns outros tratamentos de RRMS, por que não tem aprovação do FDA para RRMS?

“O custo para fazer o grande estudo necessário para provar formalmente que o rituximabe é eficaz não seria econômico para as empresas farmacêuticas. Versões genéricas biossimilares de rituximabe estão disponíveis agora, então é muito improvável que alguém busque a aprovação do FDA”, disse.explicou Sicote.

Isso não significa que você não pode usar rituximabe para tratar RRMS.Significa apenas que a cobertura varia de uma apólice de seguro para outra.

Há também outras opções disponíveis.

“Ocrelizumab e ofatumumab são versões ligeiramente diferentes e mais recentes do rituximab. Eles pertencem a uma classe de medicamentos chamados depletores de células B e todos têm um mecanismo de ação semelhante”, disse Giesser.

“Alguns medicamentos são tomados por via oral, alguns são injetados, alguns são administrados por via intravenosa (IV) e podem ter uma série de efeitos colaterais e riscos potenciais. Então, é realmente uma decisão compartilhada entre a pessoa com EM e seu médico”, disse Sicotte.

“Essas drogas devem ser tomadas a longo prazo. Você acumula o benefício por estar neles por longos períodos de tempo. Você quer escolher uma terapia com a qual seja realmente capaz de seguir”, disse.acrescentou Sicotte.

Um fator decisivo pode ser qual medicamento é o mais eficaz na prevenção de recaídas.

Até hoje, a resposta a essa pergunta ainda não está clara.Mas dois ensaios em andamento - TREAT-MS e DELIVER-MS - estão buscando determinar a melhor abordagem para tratar RRMS recém-diagnosticada.

Ainda há muitas dúvidas sobre a melhor forma de tratar a EMRR, mas os especialistas têm alguns conselhos.

“Todas as evidências que acumulamos nos últimos 20 anos indicam que fazer uma terapia assim que o diagnóstico é feito leva a melhores resultados no futuro. Nós encorajamos qualquer pessoa que pense que tem EM procurar uma avaliação”, disse Sicotte.

Todas as categorias: Blog